segunda-feira, 19 de abril de 2010

Autofagia.

Sou só sorrisos e alegrias, mas ninguém melhor que eu sabe das vontades presas que tenho. Sou um choro, uma vontade, uma pessoa, mas principalmente memórias presas. Às vezes tenho vontade de te encostar no canto da parede e dizer: Porra, olha que merda que você fez das nossas vidas, eu te amaria pra sempre, eu me entreguei totalmente a você e olha o que recebi! Seu filho da puta, traidor de merda, mentiroso, dissimulado, meu amor. Que saudade de escutar um meu amor saindo dessa tua boquinha rosadinha e pequena, que cabe exatamente na minha, que vontade de sair arrancando dentro de mim o orgulho e as memórias e dizer pra você voltar. As coisas não são fáceis assim, e nem seria melhor se assim fossem. Toda dor que passamos nos servem de alguma coisa, e quem sabe essa dor que já me doeu muitas outras vezes não passa também. Vou tentar em outras bocas e corpos encontrar aquilo que tinha em você, aquilo que a gente tinha de tão especial. Fico tentando buscar uma resposta pra a pergunta que não sai da minha cabeça: como o conjunto de palavras, atitudes podem acabar uma coisa tão forte que se chama amor? Juro que com toda a minha experiência em relacionamentos eu só imagino uma outra palavra pra responder a pergunta. Amor próprio. Quando uma pessoa diz que te ama e acaba fazendo certas coisas isso fere o teu orgulho, teu amor próprio. E tem pessoas (assim como eu) que não conseguem conviver com o “orgulho ferido”. Quando alguém diz que você é única ele tem a responsabilidade de te mostrar e te fazer sentir como tal. Você só pode falar e prometer aquilo que sabe que pode cumprir. Pra que falar uma coisa e agir de uma forma diferente? Pra magoar o outro? Pra se firmar como “eu que mando aqui, e está tudo no meu controle”? Nada disso adianta, quem fere depois será ferido com o sentimento de perda, com o ciúme fútil e vazio corroendo todo o seu ser, até acabar sozinho amargo e sem perspectivas. Prefiro assim, ficar aqui, sentada vendo a vida passar e me agarrando nas oportunidades de ser feliz novamente, curtir o momento. Prefiro viver a minha história de que a mercê de outra pessoa, prefiro procurar em outros corpos aquele abraço apertado embalado de sentimentos que você tinha, prefiro o outro, o novo de que você. Espero a cada dia que passa em minha existência extrair você de mim como quem arranca uma unha encravada que não te serve mais de nada, apenas para sentir a dor e te incomodar, te expulsar do meu corpo assim como quem quer curar uma doença, do meu pensamento, deixando assim, um lugar limpo e vazio pra outra pessoa, ou para mim. E afirmo que estou conseguindo.

Um comentário:

Edgerson disse...

talvez se não tivesse dito nada .
não deixaria tanto estrago .
por que dizer te amo, se na verdade não compreendes o que é o amor .
amor não é infla o ego .
não é dizer ela é minha . por que a perca de hoje , será o lamento de amanha.
amor não é querer por querer .
amor é se entregar aos sentimento é obedecer o corpo .
amor é não dizer, e sim senti .
é a entrega da alma .é o pulsar do sangue .são as loucura feitas por amor .é o pensa a cada minuto ,segundo .é sorri ao ver seu sorriso
agora éla se foi
e você ? não ama nem a se mesmo .
deixou escapar .agora veras a diferença entre amor e ego !